Meetup – Arquitetura do SQL Server

Olá!

Quando eu ainda estava na faculdade, já era cria da comunidade em um evento que estava rolando na faculdade fui chamado para palestrar sobre SQL Server. Na época eu estava procurando a melhor maneira de explicar como SQL Server Funcionava, o que o produto possuía e quais suas principais características. Não encontrei maneira melhor de explicar do que a que o Fabrício Catae utilizou no vídeo de Fundamentos de Bancos de Dados. Utilizei como core da apresentação e acrescentei outros assuntos que ajudariam a explicar os principais tópicos.

Acabou que alguns anos depois, num meetup do GTS-DF que ocorreu no dia 25/04/2017, acabamos conversando sobre algumas dúvidas de bancos de dados e me ofereci para explicar o funcionamento do SQL Server.

No dia 08/06/2017 fizemos um meetup para explicar o funcionamento, então retirei os slides de arquitetura que estamos guardados e mandamos ver, usamos o material para guiar nossas conversas sobre o SQL Server. Foi bem legal e caso precisem aí está o material com as devidas referências 🙂

Anúncios

Encontro SQLServerDF 35 / DataGroup I – Cenário das Plataformas de Dados para 2017

Um pouco fora do prazo, mas não poderia passar batido. Dia 31/05/2017 tivemos nosso encontro 35 do SQLServerDF e o Encontro I do meetup DataGroup, um meetup oriundo do chapter do Brasília mas que contempla outros assuntos naturalmente que não sejam somente temas que orbitem em volta da plataforma de dados da Microsoft.

Geralmente temos sessões mais técnicas, dessa vez tivemos uma sessão onde discutimos sobre o que algumas plataformas nos proporcionarão para esse ano. Além disso, fizemos algo que geralmente não fazemos, discutimos sobre o histórico, o que aconteceu nos últimos 10 anos e como as empresas se posicionaram quanto a essas mudanças.

Caso precise, os slides que nos guiaram durante a discussão estão abaixo.

O PASS, SQL Saturday, chapters do PASS e comunidades Microsoft

Uma coisa a gente tem que elogiar a Microsoft: ela faz comunidade e faz bem há muitos anos! Estou comparando com as comunidades open source: não. No open source a comunidade é o motor do produto, quando há uma empresa por trás, esse produto pode existir sem comunidade, apenas com um time de desenvolvimento, um time comercial vendendo e clientes (não vou dizer que é o melhor produto, pois perde o crescimento pelo amplo feedback, mas pode ser um bom produto). Mas há muito tempo a Microsoft percebeu que era necessário integrar as várias peças do ecossistema que envolve alguma tecnologia. Nesse ecossistema podemos colocar : desenvolvimento, implantação, suporte, comercial, cliente e/ou usuário (nem sempre o cliente e o usuário são o mesmo ator). A MS contribui então com vários incentivos à comunidade, que vão de brindes a patrocínios, englobando títulos e o que mais puder ajudar, abaixo vou descrever um pouco das iniciativas que mais vi ate hoje.

Eventos: além da Microsoft promover seus eventos, ela colabora com uma série de outros eventos como patrocinadora e isso ajuda muito a comunidade, quem já organizou eventos sabe o tanto que é complicado ir atrás de patrocínio, ter um patrocinador que ajuda tanto como a MS é um excelente facilitador. Agora podem me falar: “Raul, outras empresas, mesmo menores também patrocinam”. Sim, concordo e a MS não fica atrás, patrocina também. Quanto mais empresas entendendo que isso é importante melhor! O que me chama a atenção são os pequenos eventos em que ela manda brinde, lanche. Patrocinar grandes eventos é glamouroso, mas e os pequenos eventos? Os médios? Como fazer? Deixa de fazer o evento? Nesse quesito, ponto positivo para a Microsoft, mesmo sendo uma empresa global tem uma estrutura que não deixa de dar atençao e incentivar pequenos eventos.

Forum: Num período onde não existia o Stack Overflow, o mundo dos fóruns era bem mais pulverizado. Não que hoje não exista diversidade, mas para grande parte das coisas é bem normal que o Stack consiga cobrir as necessidades e eles se especializaram nisso (vou ressaltar que o Stack Overflow é um projeto de um ex funcionário da MS, o Joel Spolsky ), o : trocar conhecimento. Mas num mundo não muito distante, não existia o Stack e encontrar informação confiável não era tão simples quanto hoje. A MS criou seus fóruns e tinha uma equipe de pessoas que os apoiavam, e a MS claro, apoiava eles, isso criou um canal de comunicação onde era confiável buscar respostas às dúvidas sobre os produtos.

Outra iniciativa da Microsoft que gosto de destacar é o MVP – Most Valuable Professional, que é um programa que premia as pessoas que mais/melhor colaboram com a comunidade do produto que têm maior familiaridade. Então cada produto tem um número determinado pela MS de quantos MVPs por região haverão. Além disso eles terão acesso a eventos exclusivos, lista de e-mails e é uma comunicação tão bem executada que várias vezes os MVPs sabem de notícias importantes antes de funcionários da MS. Isso indica uma coisa: o programa tem importância! E agora com essa nova onda na Microsoft de apoiar o Open Source, como será que o MVP irá ficar?

Bom, comunidade para a MS é algo muito importante, eu sou cria de algumas delas e minha carreira é ligada diretamente à elas então posso dizer com conhecimento de causa: comunidade tem o seu valor e a MS percebeu isso há muito tempo. Ressalto que não quero fazer comparações com o Open Source, são maneiras de existir diferentes, mas para quem precisa rentabilizar lucros e durante muito tempo foi tachada de formas bem negativas por militantes de movimentos de software livre, não é tão conhecido das pessoas o quanto ela incentiva as comunidades mais variadas, espero ter mostrado para quem ficava de orelha em pé que temos bons motivos para acompanhar e colaborar com as comunidades, e não só as open source.